O Disneyland Park, originalmente Disneyland e comumente referido em português como a Disneylândia, é o primeiro de dois parques temáticos construídos no Disneyland Resort em Anaheim, Califórnia, inaugurado em 17 de julho de 1955. É o único parque temático projetado e construído sob a supervisão direta de Walt Disney. Originalmente, era a única atração da propriedade; seu nome oficial foi alterado para Disneyland Park para diferenciá-lo do complexo em expansão na década de 1990. Foi o primeiro parque temático da Disney.

Walt Disney surgiu com o conceito de Disneylândia depois de visitar vários parques de diversões com suas filhas nas décadas de 1930 e 1940. Ele inicialmente imaginou construir uma atração turística ao lado de seus estúdios em Burbank para entreter os fãs que desejassem visitar; no entanto, ele logo percebeu que o local proposto era muito pequeno. Depois de contratar um consultor para ajudá-lo a determinar um local apropriado p...Ler mais

O Disneyland Park, originalmente Disneyland e comumente referido em português como a Disneylândia, é o primeiro de dois parques temáticos construídos no Disneyland Resort em Anaheim, Califórnia, inaugurado em 17 de julho de 1955. É o único parque temático projetado e construído sob a supervisão direta de Walt Disney. Originalmente, era a única atração da propriedade; seu nome oficial foi alterado para Disneyland Park para diferenciá-lo do complexo em expansão na década de 1990. Foi o primeiro parque temático da Disney.

Walt Disney surgiu com o conceito de Disneylândia depois de visitar vários parques de diversões com suas filhas nas décadas de 1930 e 1940. Ele inicialmente imaginou construir uma atração turística ao lado de seus estúdios em Burbank para entreter os fãs que desejassem visitar; no entanto, ele logo percebeu que o local proposto era muito pequeno. Depois de contratar um consultor para ajudá-lo a determinar um local apropriado para seu projeto, Disney comprou um terreno de 160 acres (65 ha) perto de Anaheim em 1953. A construção começou em 1954 e o parque foi inaugurado durante um evento especial para a imprensa televisionado na ABC Television em 17 de julho de 1955.

Desde a sua abertura, Disneyland tem expansões submetidos e grandes reformas, incluindo a adição de New Orleans Square em 1966, Bear Country (agora Critter Country) em 1972, Mickey's Toontown em 1993, e Star Wars: Borda do Galaxy em 2019. Inaugurado em 2001, o Disney California Adventure Park foi construído no local do estacionamento original da Disneylândia.

A Disneylândia tem um público acumulado maior do que qualquer outro parque temático do mundo, com 726 milhões de visitas desde sua inauguração (em dezembro de 2018). Em 2018, o parque teve cerca de 18,6 milhões de visitas, tornando-se o segundo parque de diversões mais visitado do mundo naquele ano, atrás apenas do Magic Kingdom, o próprio parque que inspirou. De acordo com um relatório da Disney de março de 2005, 65 700 empregos são mantidos pelo Disneyland Resort, incluindo cerca de 20 000 funcionários diretos da Disney e 3 800 funcionários terceirizados (contratados independentes ou seus funcionários). Disney anunciou o "Projeto Stardust" em 2019, que incluiu grandes renovações estruturais do parque para contabilizar o maior número de participantes.

A United States Federal Aviation Administration declarou uma zona de espaço aéreo proibido em torno da Disneylândia e algumas das áreas circundantes centradas no Castelo da Bela Adormecida. Nenhuma aeronave, incluindo drones recreativos e comerciais, está autorizada a voar nesta zona; este nível é compartilhado apenas com o Walt Disney World, outras peças de infraestrutura crítica (bases militares, Pantex) nos Estados Unidos e sempre que o Presidente dos Estados Unidos viajar para fora de Washington, D.C.

Origens Walt Disney with Orange County officials Walt Disney (centro) mostrando aos representates de Orange County os planos para o projeto da Disneyland, dezembro de 1954.

O conceito da Disneyland começou quando Walt Disney estava visitando o Griffith Park em Los Angeles com suas filhas Diane e Sharon. Enquanto as assistia brincarem no carrossel, ele teve a ideia de um local onde adultos com seus filhos pudessem ir se divertir juntos, sendo que este sonho permaneceu dormente por muitos anos.[1] Ele pode também ter sido influenciado pelas memórias de seu pai da World's Columbian Exposition de 1893 em Chicago (seu pai trabalhou na exposição). O Midway Plaisance de lá incluía um conjunto de atrações que representavam vários países ao redor do mundo e outros que representavam vários períodos da humanidade. Ele também incluía muitas atrações como uma roda-gigante, um "sky" ride, que era um trem de passageiro que circulava pelo perímetro, e um show de velho oeste. Outra influência provável foi o Eden Springs Park de House of David, em Benton Harbor, Michigan. Disney visitou o parque e ao final trouxe uma das miniaturas originais de trem usados lá. A colônia tinha a maior miniatura ferroviária no mundo na época.[2] O rascunho mais antigo documentado dos planos de Disney foram enviados como um memorando para o designer de produção Dick Kelsey em 31 de agosto de 1948, no qual ele era chamado de "Mickey Mouse Park", baseado em notas que Walt fez durante a viagem dele com Ward Kimball para a Chicago Railroad Fair no mesmo mês, com uma parada de dois dias no The Henry Ford Museum de Henry Ford, um local com atrações com uma Main Street e barcos a vapor, que ele havia visitado oito anos antes.[3][4][5][6]

Enquanto as pessoas escreviam cartas para Disney sobre visitas ao Walt Disney Studios, ele percebeu que um estúdio de filmes funcional tinha pouco a oferecer aos fãos que o visitassem, e começou a fomentar ideias de construir um local próximo aos estúdio de Burbank para turistas o visitarem. Suas ideias evoluíram para um pequeno parque com um barco e outras áreas temáticas. O conceito inicial, o Mickey Mouse Park, iniciou com um terreno de 3,2 hectares na Riverside Drive. Ele começou a visitar outros parques para inspiração e ideias, incluindo os Jardins de Tivoli na Dinamarca, Efteling na Países Baixos e o Greenfield Village, Playland, e Children's Fairyland nos Estados Unidos. Seus designers começaram a trabalhar em conceitos, embora o projeto tenha crescido muito mais que o terreno poderia suportar.[7] Disney contratou Harrison Price do Stanford Research Institute para medir a área apropriada para fixar o parque temático baseado no crescimento potencial da área. Baseado na análise de Price, (pela qual ele seria reconhecido como um Disney Legend em 2003), Disney adquiriu 65 hectares de laranjeiras e nogueiras em Anaheim, sudeste de Los Angeles, na vizinhança de Orange County.[7][8] O local em Burbank originalmente considerado por Disney hoje abriga o Walt Disney Animation Studios e o ABC Studios.


Dificuldades em obter fundos levaram Disney a investigar novos métodos de financiamento, decidindo criar um show chamado Disneyland. Ele foi transmitido na então incipiente ABC. Em retorno, a rede concordou em ajudar a financiar o parque. Para os seus cinco primeiros anos de operação, a Disneyland era propriedade da Disneyland, Inc., que pertencia conjuntamente a Walt Disney Productions, Walt Disney, Western Publishing e ABC.[9] Além disso, Disney alugou muitas das lojas na Main Street, U.S.A. para empresas de fora. Em 1960, a Walt Disney Productions comprou todas as outras participações, uma parceria que eventualmente levaria a aquisição da ABC por parte da Walt Disney Corporation em meados da década de 1990. Em 1952, o projeto proposto foi chamado de Disneylândia, mas a Disney segui o conselho da ABC e trocou-o para Disneyland dois anos mais tarde, quando as escavações no local começaram.[10] A construção começou em 16 de julho de 1954 a um custo de $ 17 milhões. O parque foi aberto um ano e um dia mais tarde.[11] A U.S. Route 101 (mais tarde Interstate 5) estava em construção na época, a norte do parque. Em preparação para o tráfico que a Disneyland traria, mais duas faixas foram adicionadas à estrada antes do parque ser concluído.[8]

Dia de abertura

A Disneyland foi dedicada em um evento de para a imprensa internacional no domingo, 17 de julho de 1955, que foi aberto apenas para visitantes convidados e a mídia. Embora 28 mil pessoas tenham comparecido ao evento, apenas cerca de metade deles eram verdadeiros convidados, com o resto tendo comprado ingressos falsificados.[12] No dia seguinte, o parque foi aberto ao público, apresentando vinte atrações. Os eventos especiais de domingo, incluindo a dedicatória, foram televisionados nacionalmente e apresentados por três amigos de Walt Disney de Hollywood: Art Linkletter, Bob Cummings, e Ronald Reagan. A ABC transmitiu o evento ao vivo, período durante o qual muitos visitantes tropeçaram nos cabos de câmera de televisão.[13] Em Frontierland, uma câmera pegou Cummings beijando uma dançarina. Quando Disney começou a ler a placa para Tomorrowland, ele leu uma parte e então parou quando um técnico fora da câmera disse algo a ele, e depois percebendo que estava no ar, disse, "Eu pensei que eu tive um sinal",[13] e começou a dedicatória do começo. Em um momento, enquanto estava na Fantasyland, Linkletter tentou dar cobertura a Cummings, que estava no navio pirata. Ele não estava pronto e tentou dar a cobertura de volta para Linkletter, que havia perdido seu microfone. Cummings então tentou procurá-lo em frente do Mr. Toad's Wild Ride ao vivo.[13]

O tráfego aumentou nas duas pistas da Harbor Boulevard.[13] Pessoas famosas que estavam agendadas para aparecer a cada duas horas apareceram todas de uma vez. A temperatura estava mais alta que o normal (38° C) e devido a uma greve dos bombeiros locais, Disney teve de fazer uma escolha entre bebedouros funcionando ou banheiros funcionando. Ele escolheu os últimos, deixando muitos bebedouros secos. Isto gerou uma publicidade negativa, visto que a Pepsi patrocinou a abertura do parque. Visitantes desapontados acreditavam que os bebedouros sem funcionar era uma forma disfarçada de forçar a venda de refrigerante, enquanto outros fornecedores acabavam com a comida. O asfalto que havia sido derramado naquela manhã estava mole o suficiente para o salto das mulheres afundar nele. Um vazamento de gás em Fantasyland causou o fechamento à tarde de Adventureland, Frontierland, e Fantasyland. Alguns pais jogaram seus filhos nos ombros da multidão para fazê-los entrar nas atrações, como no King Arthur Carrousel.[14] Anos mais tarde, Disney e seus executivos chamaram o dia 17 de julho de 1955 de "Black Sunday" (Domingo Negro).

Após a imagem extremamente negativa da abertura, Walt Disney convidou os presentes para voltar para um segundo dia para experimentar a Disneyland de forma apropriada. No próximo dia, multidões entraram na fila a partir das 2 horas da madrugada. A primeira pessoa a comprar um ingresso entrar no parque foi David MacPherson com o ingresso número 2, visto que Roy Oliver Disney conseguiu pré-comprar o ingresso número 1 de Curtis Lineberry, gerente de admissões. No entanto, uma foto oficial de Walt Disney com duas crianças, Christine Vess Watkins (5 anos) e Michael Schwartner (7), por falta de atenção foram identificados como os dois primeiros visitantes da Disneyland. Ambos receberam ingressos para a vida inteira para a Disneyland naquele dia, sendo que MacPherson foi premiado pouco depois, que mais tarde foi expandido para todo parque pertencente a Disney no mundo. Aproximadamente 50 mil visitantes compareceram na abertura de segunda-feira.

Décadas de 1950 e 1960

Em setembro de 1959, o Premier soviético Nikita Khrushchev passou treze dias nos Estados Unidos e teve dois pedidos: visitar a Disneyland e encontrar John Wayne, o maior astro de Hollywood na época. Devido à tensão da Guerra Fria e a preocupações com segurança, não foi permitido a ele uma excursão para a Disneyland.[15] O Xá do Irã e a Imperatriz Farah foram convidados para a Disneyland por Walt Disney no início da década de 1960. Houve uma controvérsia moderada sobre a ausência de empregados afro-americanos. Desde 1963, os ativistas de direitos civis pressionaram a Disneyland a contratar negros, com os executivos respondendo que eles iriam "considerar" o pedido. Apesar da falta de empregados negros, o parque contratou pessoas de descendência asiática, como Ty Wong e Bob Kuwahara.[16][17]

Como parte da operação Casa de Fritos na Disneyland, "Doritos" (em espanhol, "pequenas coisas douradas") foram criados no parque para ajudar o uso de tortilhas velhas que foram descartadas. A empresa Frito-Lay viu a popularidade do item e decidiu vendê-lo regionalmente em 1964, e então nacionalmente em 1966.[18]

Década de 1990 - presente

No final da década de 1990, começou-se a expansão do único parque e único hotel. O Disneyland Park, o Disneyland Hotel, o local do estacionamento original e propriedas adquiridas ao redor foram unidas para formar o Disneyland Resort. Na época, a propriedade viu a inclusão do parque temático Disney California Adventure um complexo de compras, restaurantes e entretenimento chamado de Downtown Disney, um Disneyland Hotel remodelado, a construção do Disney's Grand Californian Hotel & Spa, e a aquisição do Pan Pacific Hotel e transformação no Disney's Paradise Pier Hotel. Na época, o parque foi renomeado como Disneyland Park para distingui-lo do complexo maior que estava em construção. Devido ao estacionamento existente (sul da Disneyland) que foi construído abaixo desses projetos, a estrutura de estacionamento Mickey and Friendscom 10 250 vagas foi construída no canto noroeste. Na época de sua conclusão em 2000, ele era a maior estrutura de estacionamento dos Estados Unidos.[19]

A equipe de administração do parque durante meados da década de 1990 foi uma fonte de controvérsia entre os fãs e empregados. Em um esforço de impulsionar os lucros, várias mudanças foram iniciadas pelos então executivos Cynthia Harriss e Paul Pressler. Embora suas ações tenham fornecido um aumento de curto prazo nos retornos aos acionistas, eles atraíram críticas generalizadas pela falta de visão. Com o histórico no varejo de Harriss e Pressler, o foco da Disneyland gradativamente mudou das atrações para o merchandising. Os consultores externos da McKinsey & Company foram trazidos para ajudar a simplificar as operações, resultando em muitas mudanças e cortes. Após quase uma década de manutenção adiada, o parque original estava mostrando sinais de negligência. Fãs do parque lamentaram o declínio na valorização do consumidor e na qualidade do parque e se mobilizaram pela demissão da equipe de administração.[20]

Disneyland in 2005 Uma vista aérea da Disneyland em 2005

Matt Ouimet, o ex-presidente da Disney Cruise Line, foi promovido para assumir a liderança do Disneyland Resort no final de 2003. Logo após, ele escolheu Greg Emmer como Vice-Presidente de Operações. Emmer é um funcionário de longa data da Disney que havia trabalhado na Disneyland em sua juventude antes de se mudar para a Flórida e acumular múltiplas posições de liderança executiva no Walt Disney World Resort. Ouimet rapidamente definiu a inversão de algumas tendências, especialmente no que se refere a manutenção visual e o retorno ao cronograma original de manutenção da infraestrutura, na esperança de restaurar os registros de segurança do passado. Muito como Walt Disney, Ouimet e Emmer podiam ser vistos com frequência andando pelo parque durante o horário comercial com membros de suas respectivas equipes, vestindo crachás de funcionário, ficando na fila de atrações e recebendo comentários dos visitantes. Em julho de 2006, Matt Ouimet deixou a The Walt Disney Company para se tornar presidente da Starwood Hotels & Resorts Worldwide. Logo após, Ed Grier, diretor executivo da Walt Disney Attractions Japan, foi nomeado presidente do resort, embora tenha se aposentado de seu cargo em 8 de fevereiro de 2008. Em outubro de 2009, Grier anunciou sua aposentadoria e foi substituído por George Kalogridis. O "Happiest Homecoming on Earth" foi uma comemoração de 18 meses de duração (que aconteceu durante 2005 e 2006) do 50º aniversário do Disneyland Park, também comemorando o marco da Disneyland em outros parques da Disney no mundo. Em 2004, o parque passou por grandes renovações em preparação, reformando muitas atrações clássicas, como a Space Mountain, Jungle Cruise, a Haunted Mansion, Pirates of the Caribbean, e a Walt Disney's Enchanted Tiki Room. As atrações que estavam no parque no dia da abertura tiveram um de seus carrinhos pintado de ouro e o parque foi decorado com 50 Golden Mickey Ears. A comemoração começou em 5 de maio de 2005 e terminou em 30 de setembro de 2006, sendo seguida pela comemoração "Year of a Million Dreams" que durou 27 meses e terminou em 31 de outubro de 2008.

Iniciando em 1º de janeiro de 2010, os parques Disney contaram com o programa de voluntários Give a Day, Get a Disney Day, no qual a Disney encorajava as pessoas a se voluntariarem em uma instituição de caridade participante e receberem um ingresso grátis para um parque do Disneyland Resort ou do Walt Disney World. Em 9 de março de 2010, a Disney anunciou que ela havia alcançado a marca de um milhão de voluntários e encerrou a promoção para qualquer um que ainda não havia se registrado para um voluntariado específico.

Home | The Walt Disney Family Museum Arquivado em 18 de maio de 2006, no Wayback Machine.. Disney.go.com. Acessado em 6 de setembro de 2013. Page 40 of The House of David by Christopher Siriano. Arcadia Publishing, 2007. ISBN 978-0-7385-5082-4 Walt’s first vision of Disneyland «Walt Disney Visits Henry Ford's Greenfield Village». Consultado em 9 de agosto de 2014. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014  Walt Disney's Railroad Story: The Small-Scale Fascination That Led to a Full-Scale Kingdom Behind the Magic: 50 Years of Disneyland a b «Disneyland History». Justdisney.com. 21 de julho de 1954. Consultado em 8 de abril de 2012  a b «Stanford Business Magazine May 2004». Gsb.stanford.edu. Consultado em 8 de abril de 2012. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012  Stewart, James B. (2005). Disney War. [S.l.]: Simon & Schuster. ISBN 0-684-80993-1  Chronology of Disneyland Theme Park Ken Polsson. Acessado em 11 de abril de 2012. «Disneyland: From orange groves to Magic Kingdom». LA Times. 18 de maio de 2005  Disneyland Opening. Justdisney.com. Acessado em 6 de setembro de 2013. a b c d Koening, David (2006). Mouse Tales: A Behind the ears look at Disneyland. [S.l.]: Bona Venture Press. ISBN 0-9640605-6-6  «Disneyland Opening». JustDisney.com  «Nikita Khrushchev Doesn't Go to Disneyland». Sean's Russia Blog. 24 de julho de 2009  Galber, Neal(2006)-Walt Disney: The Triumph of American Imagination, Alfred A Knopf Inc, New York City Frank Rich (26 de dezembro de 2010). «Who Killed the Disneyland Dream?». New York Times. p. WK14  Gustavo Arellano (5 de abril de 2012). «How Doritos Were Born at Disneyland». OC Weekly. Consultado em 8 de abril de 2012. Arquivado do original em 9 de abril de 2012  «The World's Largest Parking Lots». Forbes. 10 de abril de 2008. Consultado em 3 de março de 2009  Dickerson, Marla (12 de setembro de 1996). «Self-Styled Keepers of the Magic Kingdom». Los Angeles Times. Consultado em 15 de setembro de 2010 
Fotografias por:
HarshLight from San Jose, CA, USA - CC BY 2.0
Statistics: Position
3946
Statistics: Rank
28588

Adicionar novo comentário

CAPTCHA
Segurança
589647123Clique/toque nesta sequência: 7529
Esta questão é para testar se você é um visitante humano ou não a fim de prevenir submissões automáticas de spam.

Google street view

Onde você pode dormir perto Disneyland ?

Booking.com
530.234 visitas no total, 9.232 Pontos de interesse, 405 Destinos, 1.101 visitas hoje.