Contexto de Carnataca

Carnataca (em canarês: ಕರ್ನಾಟಕ Karnāṭaka) é um dos estados da Índia, localizado no sul do país. A língua oficial é o canará. Duas das principais cidades são o porto de Mangalor e a capital, Bangalor. Seus limites são os Estados de Goa e Maarastra a noroeste, Andra Pradexe a leste, Tâmil Nadu a sudeste e Querala a sul, além da costa sudoeste no mar Arábico.

Apesar de muitas etimologias terem sido sugeridas para o nome Carnataca, a mais aceita é a de que Carnataca deriva das palavras em canará karu e nādu, significando terra elevada. Karu nadu também pode ser entendido como karu (negra) e nadu (região), como referência ao vertisol encontrado na região de Bayaluseeme em Carnataca.

A presença humana no terrítorio de Carnataca atual data do Paleolítico, e Carnataca também foi o lar de alguns dos impérios mais poderosos da Índia Antiga. Os filósofos e bardos musicais patrocinados por esses império...Ler mais

Carnataca (em canarês: ಕರ್ನಾಟಕ Karnāṭaka) é um dos estados da Índia, localizado no sul do país. A língua oficial é o canará. Duas das principais cidades são o porto de Mangalor e a capital, Bangalor. Seus limites são os Estados de Goa e Maarastra a noroeste, Andra Pradexe a leste, Tâmil Nadu a sudeste e Querala a sul, além da costa sudoeste no mar Arábico.

Apesar de muitas etimologias terem sido sugeridas para o nome Carnataca, a mais aceita é a de que Carnataca deriva das palavras em canará karu e nādu, significando terra elevada. Karu nadu também pode ser entendido como karu (negra) e nadu (região), como referência ao vertisol encontrado na região de Bayaluseeme em Carnataca.

A presença humana no terrítorio de Carnataca atual data do Paleolítico, e Carnataca também foi o lar de alguns dos impérios mais poderosos da Índia Antiga. Os filósofos e bardos musicais patrocinados por esses impérios lançaram movimentos sociorreligiosos e literários que duram até hoje. Carnataca contribuiu significativamente para ambas as formas de música clássica indiana, a Música de Carnataca e as tradições musicais hindus. Escritores da língua canará receberam o maior número de prêmios Jnanpith na Índia. Bangalor é a capital do estado e está à frente do rápido desenvolvimento econômico e tecnológico que a Índia está experienciando. Segundo dados de 2011, tem 61 130 704 habitantes, sendo o 9º estado mais populoso da Índia, sendo mais populoso que muitos países do mundo, incluindo a Itália, a Espanha e a Coreia do Sul.

Mais sobre Carnataca

Population, Area & Driving side
  • População 61095297
  • Área 191791
Histórico
  •  
    Escultura do Império Hoisala, em Belur

    A história de Carnataca pode ser traçada desde uma cultura de machados paleolítica evidenciada pelas descobertas de, entre outras coisas, machados e talhadores na região. Evidências de culturas neolíticas e megalíticas também foram encontradas no estado. Descobriu-se que o ouro descoberto em Harapa era importado de minas em Carnataca, fazendo com que os estudiosos propusessem contatos hipotéticos entre a antiga Carnataca e a Civilização do Vale do Indo em 3 000 a.C..[1][2] Anteriormente ao século III, a maior parte de Carnataca era parte do Império Nanda, antes de ser subjugada ao Império Máuria de Açoca. Quatro séculos de reinado da dinastia Satavana se seguiram. Os Satavanas tinham o controle de grandes áreas de Carnataca. O declínio do poder dos Satavana levaram à ascensão dos reinos nativos mais antigos, os Cadambas e os Gangas Ocidentais, marcando a emergência da região como uma entidade política independente. A dinastia Cadamba, fundada por Mayurasharma, tinha como capital Banavasi;[3][4] a dinastia Ganga Ocidental se formou com Talakad como capital.[5][6]

    ...Ler mais
     
    Escultura do Império Hoisala, em Belur

    A história de Carnataca pode ser traçada desde uma cultura de machados paleolítica evidenciada pelas descobertas de, entre outras coisas, machados e talhadores na região. Evidências de culturas neolíticas e megalíticas também foram encontradas no estado. Descobriu-se que o ouro descoberto em Harapa era importado de minas em Carnataca, fazendo com que os estudiosos propusessem contatos hipotéticos entre a antiga Carnataca e a Civilização do Vale do Indo em 3 000 a.C..[1][2] Anteriormente ao século III, a maior parte de Carnataca era parte do Império Nanda, antes de ser subjugada ao Império Máuria de Açoca. Quatro séculos de reinado da dinastia Satavana se seguiram. Os Satavanas tinham o controle de grandes áreas de Carnataca. O declínio do poder dos Satavana levaram à ascensão dos reinos nativos mais antigos, os Cadambas e os Gangas Ocidentais, marcando a emergência da região como uma entidade política independente. A dinastia Cadamba, fundada por Mayurasharma, tinha como capital Banavasi;[3][4] a dinastia Ganga Ocidental se formou com Talakad como capital.[5][6]

     
    Estátua de Ugranarasimha em Hampi, um Patrimônio Mundial da UNESCO

    Esses também foram os primeiros reinos a usar o canará na administração, como evidencia a inscrição Halmidi e uma moeda de cobre no século V descoberta em Banavasi.[7][8] Essas dinastias foram seguidas pelos impérios canarás como os Badami Chaluquias,[9][10] o Império Rastracuta de Maniaqueta[11][12] e o Império Chaluquia Ocidental,[13][14] que governou grandes partes do Decão e tinham como capital o que hoje é Carnataca. Os Chaluquias Ocidentais patrocinaram um estilo único de arquitetura e literatura canará, que se tornou precursora da arte Hoisala do século XII.[15][16]

    Na virada do primeiro milênio, os Hoiçalas adquiriram poder sobre a região. A literatura floresceu durante essa época, o que levou a métricas literárias canarás características e à construção de templos e esculturas que aderiram ao estilo Vesara de arquitetura.[17][18][19][20] A expansão do Império Hoisala trouxe partes da moderna Andra Pradexe e Tâmil Nadu sob o seu jugo. No início do século XIV, Harihara e Buca Raia estabeleceram o Reino de Bisnaga, com a sua capital, Hosapatana (posteriormente renomeada Vijainagara), às margens do rio Tungabadra, no atual distrito de Bellary. O império ascendeu como um baluarte contra os avanços muçulmanos no sul da Índia, o qual controlou por mais de dois séculos.[21][22]

    Em 1565, Carnataca e o resto do sul da Índia experimentaram grande mudança geopolítica, quando o Reino de Bisnaga sucumbiu a uma confederação de sultanados muçulmanos na Batalha de Talikota.[23] O Sultanado de Bijapur, que ascendera após o fim do Sultanado de Bamani, de Bidar, logo tomou controle do Decão; foi derrotado pelos mogóis no século XVII tardio.[24][25] Os governantes Bamani e Bijapur promoveram a literatura persa e urdu e a arquitetura indo-saracênica, o Gol Gumbaz sendo um dos pontos altos desse estilo.[26]

     
    Sultão Tipu foi um dos governantes mais poderosos da Índia antes do advento dos britânicos

    No período que seguiu, partes do norte de Carnataca foram governadas pelo nizã de Hiderabade, pelos britânicos e por outras potências. No sul, o Reino de Maiçor, ex-vassalos do Império Vijaianagara, foi brevemente independente.[27] Com a morte de Crixenarajá Uodeiar II, Haidar Ali, comandante-em-chefe do exército Maiçor, obteve controle sobre a região. Após a sua morte, o reino foi herdado pelo seu filho Sultão Tipu.[28] Para deter a expansão europeia no sul da Índia, Haidar Ali e depois Sultão Tipu lutaram em quatro Guerras Anglo-Maiçorana significativas, a última das quais resultou na morte de Sultão Tipu e na incorporação de Maiçor à Índia britânica em 1799.[29]

    Outras insurreições se seguiram, como as que ocorreram em Supa, Bagalkot, Shorapur, Nargund e Dandeli. Essas rebeliões, que coincidiram com a guerra de independência de 1857, foram lideradas por Mundargi Bhimarao, Bhaskar Rao Bhave, Halagali Bedas, Venkatappa Nayaka, entre outros. No século XIX tardio, o movimento emancipacionista ganhara força; Karnad Sadashiva Rao, Aluru Venkata Raya, S. Nijalingappa, Kengal Hanumanthaiah, Nittoor Srinivasa Rau, entre outros, continuaram com a luta até o início do século XX.[30]

    Após a independência da Índia, o Maharaja Jayachamarajendra Wodeyar permitiu a adesão do seu reino à Índia. Em 1950, Maiçor tornou-se um estado indiano de mesmo nome; o ex-marajá serviu como Rajpramukh (cabeça de estado) até 1975.

    S. Ranganathan. «THE Golden Heritage of Karnataka». Department of Metallurgy. Indian Institute of Science, Bangalore. Consultado em 7 de junho de 2007  «Trade». The British Museum. Consultado em 6 de maio de 2007  From the Talagunda inscription (Dr. B. L. Rice in Kamath (2001), p. 30.) Moares (1931), p. 10. Adiga and Sheik Ali in Adiga (2006), p. 89. Ramesh (1984), pp. 1–2. From the Halmidi inscription (Ramesh 1984, pp. 10–11.) Kamath (2001), p. 10. The Chalukyas hailed from present-day Karnataka (Keay (2000), p. 168.) The Chalukyas were native Kannadigas (N. Laxminarayana Rao and Dr. S. C. Nandinath in Kamath (2001), p. 57.) Altekar (1934), pp. 21–24. Masica (1991), pp. 45–46. Balagamve in Mysore territory was an early power centre (Cousens (1926), pp. 10, 105.) Tailapa II, the founder king was the governor of Tardavadi in modern Bijapur district, under the Rashtrakutas (Kamath (2001), p. 101.) Kamath (2001), p. 115. Foekema (2003), p. 9. Kamath (2001), pp. 132–134. Sastri (1955), pp. 358–359, 361. Foekema (1996), p. 14. Kamath (2001), pp. 122–124. Kamath (2001), pp. 157–160. Kulke and Rothermund (2004), p. 188. Kamath (2001), pp. 190–191. Kamath (2001), p. 201. Kamath (2001), p. 202. Kamath (2001), p. 207. Kamath (2001), p. 171. Kamath (2001), pp. 171, 173, 174, 204. Kamath (2001), pp. 231–234. Kamath, Suryanath (20 de maio de 2007). «The rising in the south». The Printers (Mysore) Private Limited. Consultado em 20 de julho de 2007 
    Leia menos

Onde você pode dormir perto Carnataca ?

Booking.com
523.473 visitas no total, 9.230 Pontos de interesse, 405 Destinos, 170 visitas hoje.